This domain has recently been listed in the marketplace. Please click here to inquire.

spamcheckr.com

Início Saúde

0 1376

Por Danilo Silva Pinto

Em ato público de inauguração a Prefeita Lucimar Nascimento e o Governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz entregam à população da cidade de Valparaíso de Goiás a sua primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas

Na tarde de ontem (30/01/2014) a população lotou o estacionamento da UPA, instalada no Bairro Parque Marajó para prestigiar o encontro público entre a Prefeita do município Lucimar Nascimento e o Governador do DF Agnelo Queiroz. Apesar de pertencer ao Estado de Goiás o município está na chamada Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal, mais popularmente conhecida como Entorno e sua população depende do apoio do DF para receber atendimentos na saúde. Carente de infraestrutura nesta área, os populares acabam se deslocando para as cidades de Santa Maria e Gama, para receber atendimento. Para reduzir este transtorno e desafogar o sistema de saúde do DF a parceria entre Prefeitura e o Governo do Distrito Federal (GDF) viabilizou a inauguração de uma unidade moderna e bem aparelhada, que funcionará integrada ao sistema de saúde do DF. Casos mais graves serão encaminhados aos hospitais do DF enquanto que os de menos complexidade serão tratados na UPA, que conta com equipe de profissionais já completa e em pleno atendimento.

Contando com a presença de representantes dos Governos Federal e do Estado de Goiás, Parlamentares de Valparaíso, do Estado de Goiás e do DF, além de Secretários Municipais, Diretores e Coordenadores da saúde e da UPA, a fala mais frequente nos discursos tratou da dificuldade em fazer funcionar aquela unidade, em razão de esta já ter sido inaugurada na gestão anterior, mas sem aparelhamento ou contratação de equipe profissional. Segundo informado pelas autoridades presentes, a gestão municipal anterior teria desviado recursos da UPA para outras áreas e em razão disso o município teria ficado impedido de concluir a obra ou receber novos recursos federais, mas a ação da Prefeita Lucimar e de sua equipe, ajudados pelo GDF e parlamentares aliados conseguiram reverter a situação e entregar a unidade devidamente equipada e composta de equipe que, segundo informou a Prefeita, possui garantida uma folha de pagamento na ordem de R$ 300 mil.

2014-01-30_18-14-04_118

A Prefeita em seu discurso pediu desculpas à população por sua ausência nas ruas e justificou que tem se dedicado a buscar os recursos de que o município precisa e por isso não resta tempo para estar aonde gosta, no meio do povo.

2014-01-30_18-36-29_56

 

O Governador Agnelo Queiroz declarou apoio total à gestora municipal e reforçou que o GDF continuará a atuar pela melhora da qualidade de vida dos moradores do Entorno, garantindo que a qualidade de vida em toda a região metropolitana seja uma realidade cada vez melhor.

2014-01-30_17-49-33_626

O Presidente da Câmara de Vereadores Vereador Afrânio Pimentel parabenizou a Prefeita pelo trabalho desenvolvido e mais uma vez reforçou que dará total apoio à gestora para atender aos interesses do município.

A UPA entrou em funcionamento nesta sexta-feira 31/01/2014 e funcionará 24 horas, com sistema de classificação de risco e ambulância à disposição para remoção de casos mais graves aos hospitais do Distrito Federal.

0 353

Uma vacina terapêutica que auxilia o corpo a lutar contra células pré-cancerosas. Essa foi a estratégia utilizada por pesquisadores americanos para proteger mulheres do câncer no colo do útero. O tratamento acelera a reação dos linfócitos T, que combatem a reprodução desordenada de células. Com o progresso detectado, os cientistas acreditam que o procedimento possa futuramente fazer com que o tratamento cirúrgico não seja mais necessário.

Leonel Maldonado, um dos pesquisadores do estudo publicado hoje na Science Translational Medicine, explica que a vacina não é imunizadora: servirá para tratar uma condição que pode evoluir para o câncer. “Estudos anteriores avaliaram a vacina de sangue (ativação do sistema imune por meio do sangue do próprio paciente) dos voluntários a fim de observar a magnitude de uma resposta imune. Nosso estudo é o primeiro a identificar um aumento da resposta imunitária no tecido de pacientes com uma lesão pré-cancerosa do colo do útero após a vacinação com uma vacina de HPV com alvo terapêutico”, explica o professor do Johns Hopkins Medical Institutions.

No experimento, a vacina terapêutica foi aplicada em 12 mulheres com lesões no colo do útero, e os cientistas observaram uma melhora expressiva no sistema imunológico delas. As células T, responsáveis por combater a doença, se manifestaram em níveis antes não vistos. De acordo com os cientistas, essa resposta é positiva e pode contribuir para que o tratamento de lesões seja mais eficiente. “As respostas imunes geradas pela vacina têm o potencial de induzir, em algumas mulheres, a regressão completa da lesão cervical pré-cancerosa, evitando, assim, a progressão de cancro e os tratamentos desnecessários”, completa Maldonado.

Fonte: Correio Brasiliense

0 427

Cientistas dos EUA desenvolvem ultrassom capaz de conduzir os cristais pelo corpo até o ponto de eliminação natural. O procedimento também pode ser usado para cessar a crise de dor e retardar a cirurgia.

“Um homem foi ferrado por uma arraia numa pescaria aqui perto, disseram que ele chorou uma tarde e uma noite pedindo aos companheiros que o matassem porque a dor era insuportável. Comentei o caso com Felipe, ele não ficou impressionado como eu esperava; disse apenas que isso ou era fita ou exagero ou lenda porque não existe dor insuportável”, conta o menino Lucas, no romance Sombras de reis barbudos, do autor goiano José J. Veiga. O personagem Felipe pode estar certo quanto ao homem ferrado. Porém, pelo menos de acordo com a medicina e as pessoas que já passaram por uma cólica renal, existe, sim, dor insuportável. No minuto em que é diagnosticado, o sofrimento causado por pedra nos rins — como os cálculos renais são popularmente conhecidos — deve ser interrompido tamanha a agonia.

Mesmo com poderosos analgésicos, o alívio total somente acontecerá quando a pedra for eliminada. Normalmente, os cálculos menores causam as angústias mais intensas, por serem leves e se movimentarem com maior facilidade. Em geral, são eliminados espontaneamente pelo canal ureter, que liga o rim à bexiga, o que pode demorar. Dispositivo desenvolvido pela equipe de pesquisadores da Universidade de Washington (EUA) pode ser capaz de acelerar o processo. Um ultrassom modificado em laboratório consegue mover os cálculos no interior do corpo, guiando a eliminação por meios naturais. “Nós desenvolvemos um ultrassom de baixa potência que pode mover pequenas pedras para reduzir a dor, os custos e o tempo de tratamento”, resume Michael Bailey, um dos engenheiros do projeto e integrante do Laboratório de Física Aplicada da universidade.

Os pesquisadores conduzem o primeiro estudo clínico com o aparelho em 15 voluntários. O trabalho tem alguns fatos curiosos. Parte do financiamento, por exemplo, vem do Instituto Nacional de Pesquisa Biomédica Espacial norte-americano, interessado no projeto porque os astronautas têm um risco aumentado de pedras nos rins durante as viagens espaciais. A condição é extremamente comum também na superfície terrestre. Calcula-se que uma a cada 10 pessoas passará por uma crise na vida.

O brasiliense deve ter um cuidado a mais. O clima quente e seco é favorável a essas ocorrências. “Não temos dados oficiais, mas colegas se referem a uma prevalência muito grande de cálculos renais em Brasília se comparada a outras regiões”, reforça o presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia, Daniel Rinaldi dos Santos. O calor excessivo e o clima seco fazem com que a pessoa perca água por outras vias, como a transpiração. E a reposição e a hidratação podem não ser feitas da forma adequada.

A urina é muito rica em solutos ou cristais que precisam ser eliminados para manter o equilíbrio interno do organismo. Esses cristais podem estar em concentração excessiva, causando uma precipitação e levando à formação de cálculos. O baixo volume urinário ocasionado pela pequena ingestão de líquidos também contribui para o problema.

A dor começa quando o cálculo, que está dentro do rim, se move. Iniciada nas costas, tende a mudar de lugar fazendo o caminho que a expelirá naturalmente. Esse é o caso clássico de cálculo renal. Os aparelhos de ultrassom de ondas de choque já são usados para tratar pedras maiores (de 0,8cm a 1cm) com a técnica conhecida como litotripsia. O dispositivo envia pulsos curtos de alta energia que quebram as pedas, tornando o processo natural possível.

O sucesso da eliminação natural, no entanto, depende do local e da trajetória do cálculo. Estudos tentaram até virar os pacientes de ponta-cabeça ou bater na região lombar, o que, na linguagem técnica, seria chamado de inversão e percussão, respectivamente. O objetivo era sacudir pequenas pedras, movendo-as da parte inferior do rim para o meio. No primeiro caso, as chances de eliminação natural são de 35%, probabilidade que sobe para 80% na situação seguinte.

Pouco invasivo
A proposta da equipe de Bailey é mais delicada e direcionada. Pulsos emitidos pelo aparelho de ultrassom modificado, um pouco mais fortes do que o utilizado para a imagem de fetos em gestantes, seriam suficientes para empurrar o cristal e orientá-lo até a saída. Os protótipos foram testados em modelos artificiais do órgão construídos em látex e nos rins de animais vivos. Esperam-se bons resultados com os voluntários humanos.

Os pesquisadores imaginam outras aplicações para o ultrassom, como reposicionar uma pedra antes ou durante a cirurgia e até mesmo deslocar uma grande pedra que obstrui o ureter para aliviar a dor do paciente e evitar o procedimento de emergência. Segundo Bailey, uma vez que a equipe confirme os resultados em humanos, o projeto estará pronto para buscar a liberação da agência sanitária dos EUA e ser levada ao mercado.

O chefe do Departamento de Endourologia da Sociedade Brasileira de Urologia, Ernesto Reggio, acredita que o trabalho é mais uma evolução na busca pelo tratamento menos invasivo. Ele conta que, hoje, uma técnica de cirurgia na mesma linha é muito usada. Um aparelho endoscópico bem fininho, chamado ureteroscópio, é guiado até o cálculo e o retira íntegro ou fragmentado.

O médico alerta que uma complicação muito comum permanece sem resolução. O cálculo pode ficar preso no ureter e desenvolver uma reação inflamatória. A partir desse ponto, ele não migraria mais. “Não sei como eles podem solucionar isso. Talvez, seja uma limitação para essa técnica. Eles estão querendo tornar o tratamento ainda mais minimamente invasivo, ou seja, não vai precisar nem operar ou quebrar a pedra.”

Cuidados a mais
Estima-se que os casos de cálculo renal aumentam 30% nos períodos mais quentes do ano. Por esse motivo, esse é um período de atenção redobrada para o aumento da ingestão de líquidos e a ingestão de sucos de frutas cítricas. Também indica-se a diminuição do uso de sal nos alimentos, o reforço com verduras, legumes e frutas presentes nas refeições diárias e atenção com os frutos do mar. Eles apresentam índice elevado de ácido úrico, um dos responsáveis pelo desenvolvimento dos cálculos renais.

O melhor é evitar

Mesmo com a promessa dos cientistas do Laboratório de Física Aplicada da Universidade de Washington (EUA) do surgimento de uma técnica que melhore o tratamento do cálculo renal, o objetivo deve ser sempre evitar o problema. Não só pela dor agressiva, mas porque as chances de reincidência estão entre 80% e 100%. Após a eliminação e a recuperação, é extremamente importante que o paciente busque saber as causas que levaram à formação da pedra. A recorrência é alta especialmente naqueles que têm histórico familiar, cerca de 70% dos indivíduos acometidos com a crise.

“Existem alguns distúrbios no metabolismo e uma predisposição genética que fazem com que esses cristais se precipitem de uma maneira mais fácil na urina. Tem que investigar a razão para evitar que se formem mais cálculos. Tive pacientes que já tiraram mais de 10. Às vezes, medidas simples evitam as novas formações”, orienta Daniel Rinaldi dos Santos, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Para quem já enfrentou o problema, a orientação é que urine pelo menos 2l por dia, o que demanda uma ingestão de água ainda maior. Não valem refrigerantes ou qualquer bebida industrializada, pois têm alto teor de sódio, que ajuda na formação das pedras.

No caso dos indivíduos que nunca tiveram o problema, valem os mesmos cuidados. A necessidade de ingestão de água depende de cada organismo. Mas a dica é checar a coloração da urina. “Se você está com uma urina muito escura, é porque está tomando pouca água. Se tem chance de formar cálculo, essa urina mais escura vai ter mais cristais para essa formação.”

Fonte: Site Uai

FIQUE CONECTADO

post